O novo perfil da família brasileira

  • Home
  • O novo perfil da família brasileira
0800 777 00 80  /  (19) 99351-5109  /          

O novo perfil da família brasileira

Postado em 15/05/2014


A família brasileira mudou -  e muito - nos últimos dez anos. Cresceram as uniões informais, os casais sem filhos, os casamentos inter-raciais e os divórcios.







Um novo perfil da família brasileira foi desenhado nos dados do Censo 2010 divulgados  pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  Confira algumas curiosidades do mais recente Censo:
Dados do país revelados pelo IBGE


UNIÕES
- Mais de um terço das uniões no Brasil são consensuais. Este tipo de relacionamento aumentou de 28,6%, em 2000, para 36,4% do total, no último levantamento.

- O número de casados caiu de 37% para 34,8% entre 2000 e 2010. O percentual de divorciados quase dobrou no mesmo período, passando de 1,7% para 3,1%.

- 69,3% dos brasileiros escolhem parceiros da mesma cor ou raça. Esse comportamento é mais forte dentre os grupos de brancos (74,5%), pardos (68,5%) e indígenas (65,0%).

-  8,4% das famílias vivem com filhos que são frutos de outros relacionamentos, de um dos dois ou mesmo de ambos.

CHEFIA DO LAR
- O percentual de famílias chefiadas por mulheres (reconhecidas como responsáveis pela casa), no país, passou de 22,2% para 37,3%, entre 2000 e 2010.

CONDIÇÕES DE VIDA
- 52,5% dos domicílios são considerados adequados (contra 43,9% em 2000), ou seja, contam com abastecimento de água por rede geral, esgotamento sanitário por rede geral ou fossa séptica, coleta de lixo direta e indireta e até dois moradores por dormitório.

- Entre 2000 e 2010 houve um crescimento na proporção de domicílios onde vive um só morador, passando de 9,2% para 12,1% das casas.

- O percentual de domicílios com até dois moradores por dormitório (padrão considerado adequado) cresceu de 62,9% em 1991 para 81,9%.

MIGRAÇÃO
- 35,4% da população não residia no município onde nasceu, sendo que 14,5% (26,3 milhões de pessoas) moravam em outro Estado.

FONTE:
http://www.ibge.gov.br/home/